domingo, 24 de setembro de 2006

DNA em conflito


Certo. Ninguém é de ferro. Mas meu pai quase enferrujava.
Dedicado a seu trabalho, que ele insistia em não qualificar como trabalho. Era missão.
Nunca viu uma duplicata. Nem uma fatura. Só tinha olhos para a Bíblia, o Grego e o Latim.
O sustento do lar ficava por conta de minha mãe. Que dava aulas de Matemática de manhã, à tarde e à noite. De segunda a sábado. No domingo, cuidava da Igreja e da família. Nessa ordem.
Assim, por razões estritamente genéticas, nasci com a certeza de que fazer aquilo de que se gosta e sustentar uma família são coisas mutuamente exclusivas.
De meu pai, herdei o gosto pelas letras, pelo conhecimento. De minha mãe (ainda bem) herdei a noção de que é preciso fazer alguma coisa pra botar comida na mesa.
O incrível é que eles se davam às mil maravilhas.
Já meus dois lados, o do pai e o da mãe, convivem com dificuldade.
Tanto que penso seriamente em me divorciar de mim mesmo.