sábado, 30 de julho de 2016

Imbecilimpíadas

O Jornal da Noite, da TV SIC, apresentou reportagem sobre o assassinato de 11 atletas da delegação de Israel por terroristas palestinianos, em Setembro de 1.972.
Não pude acompanhar detalhes da tragédia à época. Fiquei na cadeia todo o ano de 1.972. Mais tarde, já em liberdade, inteirei-me dos fatos.
Mas esse acontecimento não frequentou muito a imprensa ocidental nos últimos 44 anos. E a razão é simples: a esquerda, em toda parte, era (e é) a favor do grupo terrorista.
A reportagem da SIC, muito bem feita, mostra declarações actuais de atletas da delegação olímpica portuguesa da época. Chocou-me a pouca importância que até hoje concedem à tragédia. Que à época o fizessem é quase compreensível. Jovens empolgados pelo desafio olímpico, teriam encarado a tragédia apenas como um acidente de percurso. Mas 44 anos depois continuam a pensar assim?!
Junta-se à minha perplexidade a surpresa com a actual disposição de atletas de todos os países a quererem competir nas Olimpíadas do Rio a qualquer custo.
Já passou da hora de reconhecer-se o mal que a quase totalidade das modalidades desportivas olímpicas (ditas de alto rendimento) causam ao ser humano.
Indivíduos completamente alheados de tudo que não seja seu preparo para determinado desporto deformam o próprio corpo, suportam dores constantes e intensas, tudo para atingir recordes. Além de se doparem das mais variadas formas.
E todos a afirmarem que "desporto é saúde".
Se eu ainda me interessasse por alguma causa, lutaria pelo fim das olimpíadas.

domingo, 3 de julho de 2016

Recato e memória

Li ontem, no Facebook de uma amiga, a história do assassinato, em 1.957, do pai de Jânio da Silva Quadros, ex-presidente brasileiro.
Na época eu tinha 12 anos.
Por isso fiquei espantado. Como foi possível que eu desconhecesse tal história?!
Aos 12 anos eu lia todo santo dia o jornal A Tribuna. Era o jornal da cidade de Santos.
Primeiro lia tudo sobre esportes. Aliás, quase só futebol.
Em uma das raras vezes em que meu pai me aconselhou de modo simpático, sem ser autoritário, lembro que me disse:
- Não é preciso ler tudo. Leia apenas os títulos e os resumos.
(ainda não se usava "lead"...)
Talvez justamente por ter ele sido simpático, não segui o conselho.
Lia também tudo sobre política. Quando, entretanto, minha irmã assinou o Diário Oficial do Estado de São Paulo, passei a ler os discursos dos deputados na Assembleia Legislativa.
Nomeadamente os discursos do deputado batista João Hornos Filho (ainda não havia "bancada da Bíblia"), cuja propaganda eleitoral aproveitava-se das iniciais de seu nome e perpetrava:
Justiça, Honra e Fé.
Mesmo assim, passou-me despercebido o "caso" Gabriel Quadros.
É verdade que, em casa de meus pais, assuntos de alguma forma vinculados a alcova passavam longe de meus ouvidos. Meus pais não os comentavam diante dos filhos. Ao menos do filho pequeno, eu.
Quem sabe minhas irmãs tenham tido conhecimento contemporâneo do imbroglio. Afinal, já viviam em São Paulo, à época.
Quanto a mim, só agora fico a saber que a loucura de Jânio era hereditária.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Para quando Paulo Coelho?

Não li e não gostei.
É minha convicção a propósito de Paulo Coelho e de vários outros escrevinhadores.
Certeza assim causa-me algum desconforto mas é inelutável.
O argumento de Janer Cristaldo na defesa de tal postura ajuda um bocadinho:
Se milhões de pessoas afirmam gostar desse ou daquele romancista, ele não é recomendável.
Não há milhões de pessoas de bom gosto.

Cá em Portugal há José Rodrigues dos Santos. Âncora do Jornal das Oito da RTP, a TV estatal.
Escreve romances como quem come cerejas.
Em Português e em outros idiomas vende milhões de exemplares.
Meteu-se, agora, em polêmica ao afirmar, em um de seus últimos produtos, que o fascismo originou-se do socialismo marxista.

Por querer inteirar-me do sarilho fui à leitura de textos sobre. Nomeadamente o de Francisco Louçã e o de António Araújo.
A discussão recente não me entusiasmou. Mas levou-me a textos do final de 2.014 de António Araújo.

Em cinco primorosos capítulos, AA disseca os milhares de romances de JRS (relevem algum exagero).
Descobri que uma idiossincrasia alheia pode ser-me benéfica.
Como os comentários de leitores ao fim de cada capítulo confirmam, é mesmo assombroso que alguém que não gosta de um escritor dedique tempo e cachimônia a esmiuçar sua obra em tanto detalhe.
Acontece que essa atitude incomum permitiu que eu substituísse a desagradável leitura de mais de uma dezena de calhamaços (cada romance de JRS não ocupa menos de 500 páginas) pelo prazer da leitura de cinco textos. Embora um bocadinho longo, esse pentateuco nos faz rir imenso. E transforma seu leitor em especialista em José Rodrigues dos Santos.

Aguardo algum outro doidivanas que faça o mesmo com o obrar de Paulo Coelho.


sexta-feira, 13 de maio de 2016

Nunca conheci quem tivesse levado porrada - 001

Começo aqui a série inspirada no "Poema em linha reta", de Álvaro de Campos:

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.
(...)

E começo por vilania antiga.
Corria o ano de 1979. Talvez início de 80.
Por ter três filhos pequenos, pensei que seria bom se eles convivessem desde logo com um cão.
Resultou cadela, apesar de não existir ainda a tal ideologia de gênero.

Decorrido pouco tempo, dei-me conta de que o interesse dos putos pelo animal caiu a zero.
Os pais não sabíamos cuidar de animais.
E a cadelinha, que eu havia batizado de Laura, pois à época eu trabalhava em uma biografia de Cipriano Barata, pai de outra Laura, era um tanto desengonçada. 
Por tudo isso, certo dia a meti em meu automóvel, levei-a a uma rua habitada mas com piso de terra e lá a deixei.

Espero que minha doce Doga, já no apogeu de seus anos, não leia esta minha confissão.

Nota: Havia escrito que o nome da cadelinha era Veridiana. Minha ex-esposa corrigiu. Ambas, Veridiana e Laura, eram filhas de Cipriano Barata. Eu me confundi. Está já corrigido.
 Cipriano Barata era casado com dona Ana Joaquina de Oliveira e tinha seis filhos: Cipriana Sibila, Horácio Cipriano, Iria Joaquina, João Raimundo Nonato, Laura Cipriana e Veridiana Rosa.

domingo, 8 de maio de 2016

Santos, Osasco e futebol

Nasci em Santos, trabalhei quase vinte anos em Osasco.
Nada disso é significativo.
Mas acontece que uma equipa de Osasco, o Audax, disputa - nesse instante - o título de campeão paulista com o Santos F.C..
Jamais fui adepto do Santos. Quanto ao Audax, nunca soube de sua existência.
Neste momento, o Santos vence com um golo do pastor Ricardo Oliveira. Antigamente pastores não marcavam golos, a não ser em sentido metafórico.
Mas o Audax me impressiona por mostrar alguma qualidade.
Deixei até de lado o jogo do Benfica com o Marítimo...
Tudo isso faz parte da desconversa que costuma exacerbar-se aos domingos.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Dia da Língua Portuguesa

Em meu caso não há paradoxo. Aquiles vence a corrida com a tartaruga. 
Aquiles é o conhecimento, o saber.
A tartaruga sou eu.
Ao tornar-me português, quis passar a usar a língua portuguesa em sua modalidade europeia. Escrever como português. Falar como português.
Não é tarefa simples. Percebi isso já nos Correios, ao me perguntarem se desejava Aviso de Receção. Pensei logo que seria alguma advertência em relação à crise de 2.008. Despendi algum esforço até perceber que se tratava do popular AR (Aviso de Recebimento).
Não desisti. Passei a escrever "facto" para referir-me não a roupa mas a acontecimento.
Aí, cá em Portugal, ratificaram o tal Acordo Ortográfico. Quase tudo passou a ser escrito como no Brasil Quase.
Quase todos os opinadores e politólogos continuaram a utilizar a grafia antiga. Quase.
E eu fiquei como o guarda-redes traído pelo contrapé: ao inclinar-se para um lado vê a bola entrar no outro.
Ou, ainda em metáfora de futebol: senti-me como aquele defesa brasileiro. Veio jogar na Itália. Não aprendeu italiano e esqueceu o português.
Hoje é o dia da língua portuguesa.
Qual delas?

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Luta de qualquer coisa

A luta de classes saiu de moda. Afinal, é mesmo cada vez mais difícil definir o que seja "classe". Mais ainda fazer com que lutem umas contra as outras.
Vai daí, é preciso descobrir novas formas de pôr setores da sociedade em conflito.
Qualquer coisa serve.
Há negros e brancos? Joguemos uns contra os outros. Como a escravidão já vai um tanto longe no passado, que tal lançar a ideia de cotas que privilegiem negros a pretexto de que até aqui foram injustiçados?
Há homossexuais e heterossexuais? Lancemos no ar a ideia de combate à homofobia. Os homossexuais já têm largo espaço na sociedade? Já são até nicho cobiçado pelo marketing? Não faz mal. Ainda é possível colocar em luta os dois grupos. Basta atuarmos fortemente na busca desse objetivo.
Há homens e mulheres? Vamos explorar a identidade de gênero. 

Nessa vertente, o Bloco de Esquerda (BE), em Portugal, lançou-se destemidamente.
Considerando que não há mais guerras, não há terrorismo, não há fome no mundo, não há mais problemas reais, lancemo-nos aos problemas imaginários.
Até há pouco, Portugal identificava seus cidadãos por meio do BI (Bilhete de Identidade). De uns anos para cá, surgiu o Cartão do Cidadão, a reunir em um só documento a identidade civil, o número de contribuinte, o número da segurança social e o número de utente de saúde. Pode ser manipulado em computador e guarda, sob senha, informações como a morada do indivíduo.
Para o BE o importante é que o nome desse documento gera uma indesculpável discriminação das mulheres. E exige que a denominação seja alterada para Cartão da Cidadania.
Menos mal.
Se estivéssemos sob o governo Dilma, no Brasil, a "presidenta" exigiria: Cartão do Cidadão para homens, Cartã da Cidadã para mulheres e Cart d Cidad para @s demais.
Dessa maneira chegaremos inevitavelmente ao socialismo. Isso quanto aos homens.
As mulheres chegarão à socialisma. Etc etc.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

O melhor do mundo

Em uma reportagem sobre o túnel do Marão, publicada no portal da RTP, dia 09/04/2016, li o comentário de um bem humorado português:
"Surpreende-me. Tudo o que se faz em Portugal costuma ser o melhor ou o maior do mundo. Por que raio este feito, agora é apenas o maior só da Península Ibérica? Enganaram-se a medir! "
Comecei a perceber este hábito nacional antes de vir cá morar. Visitei Figueira da Foz em um dia cinzento e chuvoso. Toda gente sabe que praia com chuva é como dançar com irmã: não tem a menor graça. O que podíamos fazer, minha mulher e eu, era entrar em um restaurante e almoçar.
Pedimos camarões e ouvimos do dono do restaurante a convicta informação de que iríamos saborear o melhor camarão do mundo. Nem mais nem menos.
Já lá se vão uns doze anos e entretanto não parei de ouvir e ver diferentes "melhores do mundo".
O azeite de Macedo de Cavaleiros, os pastéis de nata, o vinho do Douro, as praias do Algarve, as alheiras de Vinhais, a cortiça do Alentejo, os ovos moles de Aveiro, o Cristiano Ronaldo, o José Mourinho, o queijo da Serra da Estrela, as sardinhas de Matosinhos, os leitões de Mealhada, uma lista infindável de "melhores do mundo".
O túnel do Marão talvez não seja mesmo o maior do mundo. Mas, pra mim, que vivo pra cima e pra baixo da autoestrada A4, passa a ser o melhor do mundo.

sábado, 9 de abril de 2016

Câmbio fixo, amor volátil


Agora entendo por que Fernando Henrique Cardoso manteve o real sobrevalorizado durante todo seu primeiro mandato.
É que a mesada dada por ele à ex-amante era em dólar.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Minhas bibliotecas (1)


A maioria das pessoas que eu conheço nasceu em hospitais. Eu nasci numa biblioteca.
Minha mãe deu-me à luz em casa.
E a casa de meus pais era entupida de livros. Nela quase não se viam as paredes. Cobriam-nas estantes abarrotadas de livros.
Fosse meu pai um comerciante, eu cedo teria aprendido a diferença entre fatura e duplicata.
Em vez disso, apaixonei-me por livros.

Esse meu berçário, essa manjedoura ao pé da qual os animais e os magos e a estrela guia brotavam da imaginação do leitor, foi minha primeira biblioteca.
Minha em termos. Era de meu pai. Graças a esse detalhe, vivi minha primeira experiência com a censura. A cada livro que eu pegava para ler era preciso submetê-lo ao juízo paterno, que decidia se era leitura para um guri de 10 anos ou pouco mais.
Foi assim que li Coelho Neto. E não li Machado de Assis.
De Monteiro Lobato só me eram permitidos os livros para crianças. Os demais ficavam no índex.
Um livro de contos de Humberto de Campos mereceu censura seletiva. Meu pai, cuja honestidade tinha o bônus de uma acentuada ingenuidade, assinalou com uma pequena cruz o título de cada um dos contos que eu deveria evitar.
O leitor pensou certo. Foram os primeiros que li. E que me presentearam com alguns pesadelos.

Com a morte de papai, minha mãe resolveu doar a biblioteca à Faculdade de Teologia, em São Paulo. E, ao preparar nossa mudança de Santos, autorizou-me a separar um ou dois caixotes de livros que eu quisesse manter. Escolhi com cuidado os que me eram mais queridos.
Ao chegar a São Paulo o caminhão com a mudança, constatei que haviam confundido os caixotes de livros. Os que eu escolhera foram para a Faculdade. Para mim vieram dois caixotes com livros guardados ao acaso. Não me lembro de nenhum que me despertasse interesse.
Perdi minha primeira biblioteca. Mas não seria a última perda.


(continua)

quinta-feira, 31 de março de 2016

A fé de Lula


Encontrou o Lula no aeroporto de Brasília.
- Que é que você tá fazendo aqui?
- Tô esperando o Messias. A Dilma me avisou que ele tá vindo pra me salvar.

terça-feira, 22 de março de 2016

Pela sobrevivência da Europa

Quando eu estava nas mãos do DOI-CODI (1.971/1.973), aparelho de tortura da ditadura militar brasileira, passada a fase mais brutal, era comum ouvir dos torturadores::
- Vocês criticam a tortura, mas sem ela não chegaríamos a lugar nenhum. Sem tortura vocês não falariam nada.
Foi assim que a "esquerda revolucionária" sul-americana foi facilmente aniquilada.
Os Tupamaros, no Uruguai, os Montoneros, na Argentina, o conjunto da esquerda no Brasil caíram como castelo de cartas.

É verdade que alguns remanescentes chegaram ao poder recentemente, por via democrática. Mas isso é outra história.

As previsões são de que existem presumíveis 12.000 terroristas islâmicos na Europa, actualmente. Ou seja, um nada.
Como dar cabo deles?
Vai ser necessário que a Europa aceite sacrificar algo dos direitos à privacidade, dos direitos de ir e vir, para que se consiga destruir esse cancro.
Será preciso chegar ao limite que separa a civilização da tortura.
Um facto que me impressionava sobremodo na repressão brasileira nos anos 70: não existia a chamada "inteligência" na investigação. Tudo era obtido sob tortura. A burrice dos interrogadores era notável.
Será preciso, no caso actual, substituir a tortura por inteligência, valendo-se dos recentes avanços tecnológicos na comunicação e na informação.
Actos terroristas como os de hoje, em Bruxelas, causam muito dano, muito sofrimento, mas são fruto do "trabalho" de não mais que meia-dúzia de fanáticos.
Acabar com esses malucos é mais fácil do que aparenta ser.
Mão à obra, Europa!
Lutemos em nome das vítimas inocentes que tombaram hoje.

quinta-feira, 17 de março de 2016

Do tamanho do mundo


Em 1.968, conheci Henrique Setti Neto.
Ele dava aulas de Português e eu de Matemática no curso CAPI, preparatório para faculdades.
Ficámos amigos. Imensamente amigos.
Algum tempo depois ele, Henrique, trouxe para o CAPI um jovem professor português, Luís Pardal.
Entrou em nossa equipe, a dar aulas de História. E foi um dos que abandonaram o CAPI quando fui demitido. Todos em solidariedade a mim.
Quando casei-me pela primeira vez, Pardal foi meu padrinho de casamento.
Antes, ele já fora chamado pela repressão da ditadura a prestar depoimento.
Eu fui preso, condenado, fiquei preso quase um ano e meio. Nada a ver com Pardal.
Mas tudo isso me fez perder contato com ele.

Milhares de anos depois, Henrique faleceu.
Eu vim viver em Portugal.
Pardal, à procura de Henrique, encontrou-me na Internet.

Também graças à web, encontrei André Setti, filho de Henrique.
Mesma aparência. Igualmente poeta.

Levo agora Pardal a André, para que celebrem a memória de Henrique.


E que esse mundo pequeno, onde todos se encontram, se engrandeça nessa união.

terça-feira, 8 de março de 2016

Tristeza hilária


Confesso que quando li Alberto Gonçalves, no DN deste domingo (6/03/16), a mencionar que o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do governo português havia dito, na Assembleia da República, “tenhemos a humildade” , julguei que algo ia mal com a cabecinha de meu homônimo.
Foi ao ler Rentes de Carvalho a referir o mesmo episódio que resolvi investigar.
Vai aí o vídeo.

E fica comigo a tristeza de ver Portugal entregue a essa gente.