quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Guerra sutil


Depois de ouvirmos besteiras monumentais ditas durante anos por Lula, por Dilma, por Cristina, por Hugo, por Lugo, chegamos à inevitável conclusão:
Idiotice, aliada a esperteza, pode provocar cancro.

POR EXEMPLO

sábado, 24 de dezembro de 2011

Mistérios (2)


Nesta época de mistérios tais como a concepção de um menino por uma virgem, bem antes da fertilização in vitro, lanço a pergunta que, para mim, questiona um enorme mistério:
Por que as casas de banho, em Portugal, têm o interruptor da luz instalado do lado de fora?!

Natal


Amanhã comemora-se o nascimento do presumível filho de Pantera, soldado romano, com Maria.
E (quase) toda a gente vai comer, beber e trocar presentes e gentilezas.

Bom Natal!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Nevoeiro



CLIQUE PARA AMPLIAR
Agora de manhã, cá em Bragança, o cenário é esse que aí (não) se vê.
Mais ou menos o mesmo de um inverno em São Paulo, 1.963.
Luiz e eu teríamos prova de Cálculo na Cidade Universitária. Era nosso primeiro ano na Escola Politécnica da USP. Quem conduzia o fusquinha era eu. Melhor, tacteava em meio à névoa, a tentar adivinhar o que vinha à frente.
Luiz ainda me perguntou como eu conseguia dirigir sem enxergar quase nada. Comecei a dar-lhe uma explicação quando veio a pancada. Fora um pequeno corte no supercílio de um rapaz que viajava no outro automóvel, também um fusca, nada aconteceu às pessoas envolvidas. Apenas os estragos materiais é que foram grandes.
Além de todos os aborrecimentos que um evento desses acarreta, perdemos a prova de Cálculo.
Dada a falta de gravidade da ocorrência, o inquérito policial descansou em alguma gaveta e parecia que não teria conseqüências.
Mas, quase dez anos adiante, eu perderia mais alguma coisa.

* * *

Dezembro de 1.972. Final de um ano vivido atrás das grades. Por já ter sido condenado e já ter cumprido mais de metade da pena, eu tinha direito à liberdade condicional.
Meu advogado, José Carlos Dias, quis aproveitar o clima de Natal para solicitar minha soltura. Quanto a mim, sonhava sem parar com o passar as festas junto à família, solto no mundão.
Às vésperas do Natal veio a notícia: não iriam soltar-me. Havia a informação de um processo contra mim e seria necessário verificar do que se tratava antes de autorizar minha libertação. Tal verificação só poderia ser feita no início do ano.
Era o processo do acidente de 1.963.

* * *

Só pude respirar o ar da liberdade em 5 de janeiro de 1.973.
Em pleno verão paulistano. Sem névoa.

CLIQUE PARA AMPLIAR

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Boas Festas


Estendo aos leitores do blog os cumprimentos que os brigantinos iluminaram na rotunda dos touros...


CLIQUE PARA AMPLIAR
e na pracinha dos caretos:

CLIQUE PARA AMPLIAR
De resto, brindo a todos com uma imagem de Bragança banhada pelo sol. Ao fundo a avenida Cidade de Leon. A câmera está na avenida das Forças Armadas, junto a mim e à Doga, ambos desarmados, claro.

CLIQUE PARA AMPLIAR

sábado, 17 de dezembro de 2011

Pílulas de língua portuguesa


Não sou profundo conhecedor da língua portuguesa. Mas imaginava ao menos conhecer o alfabeto.
Eis que, ao percorrer os corredores de um mercado, em Bragança, descobri em uma prateleira o produto abaixo:


Imediatamente pensei:
- Como são ingênuos, os portugueses! No Brasil, um produto com esse nome não venderia nem uma unidade. Aliás, mais: nenhum publicitário sugeriria para um produto um nome que se lê Caga Sete!
Não demorou, descobri que o que imaginava ser ingenuidade portuguesa, era ignorância minha: em Portugal, a letra K é pronunciada Kapa. No Brasil é que se diz Ka. Portanto, aqui, o produto pode ser tranqüilamente comercializado. É o Capa Agá Sete.
Pronto.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Imaculada Conceição


Portugal e Espanha param, todo ano, no dia 8 de dezembro, pra comemorar a conceição imaculada. Ou a concepção pura. Ou o nascimento sem sexo.

E eu, que pensava que adultos não mais acreditavam em cegonhas a trazer bebés.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

7Belo


Tenho um sobrinho que considero - já que os matemáticos preferem contar a partir do zero - meu filho zero. Depois vieram o primeiro, o segundo e o terceiro...
Eu tinha 17 anos quando ele nasceu. Meu pai morrera no ano anterior. Comecei, graças a ele, a aprender como se lida com uma criança.
E que criança!

Um dia desses, não faz muito tempo, mandou-me e-mail em que relata a visão que um garoto de nove anos teve das visitas que fazia, com os pais e a avó, ao tio preso no Presídio Tiradentes, em São Paulo, nos remotos anos de 1.971, 1.972.

Ele começa por sugerir o contexto da leitura:

Bom ... então ... agora ... toma duas doses da tua mais vagabunda bebida que estiver por perto ... e lê:

Daqui pra frente a palavra é toda dele:

Um cara com uma arma na cintura ia até quase no meio do pátio e aos berros mandava todos embora.
- O horário da visita acabô !!!
Este com certeza esbravejava outras frases não mais delicadas prá tirar todo mundo dalí.
Enquanto o milico berrava, ele, com seus + ou - oito anos, só conseguia prestar atenção nas famílias reunidas, uma a uma em "rodinhas" se despedindo dos que alí iriam ficar ...ao invés de ouvir o tal ...
Todo sábado era assim ..
Informação na cabeça dele era tudo ...
Via ... ouvia ...aliás, via mais do que deixavam ele ouvir.
Na época não tinha muito tempo prá sentir o que realmente acontecia . Mas não era de todo um tolo.
Só quem poderia dizer a data e a hora seria sua vó ... Quando a bomba estourou ... E a notícia chegou !
Ele estava no quintal de casa e viu ela, sua vó, receber a nova.
Com desespero ouviu, debruçada na janela de sua casa que ficava nos fundos do quintal, a notícia !
Foi um tal de: chora de um lado ... chora de outro ... cuidado com os vizinhos daqui ... cuidado com os vizinhos de lá ...
Enfim ... foi "o oh do borogodó do penacho roxo" !!!
E ele só ficou olhando ...
Tudo que ele queria era entender o que estava acontecendo !!!
Mas na verdade ... ninguém conseguia entender nada !!!
E ... então ... nos sábados iam todos prá lá.
Sua vó, seu pai, mãe, irmão ...
Com a idade que tinha ele só olhava ...filmava ... sim ... era tudo um filme ...
No fim de tudo ... na cabeça dele ... tudo isso virou um filme ... uma história ... este maldito roteiro ...
Não só na cabeça dele ... mas na cabeça de um monte de espertos que ganharam e continuam ganhando muita grana :
Músicas aos montes ... filmes .... muito confete e serpentina ...
Deram a "letra" prá neguinho "corrê" da Pátria mãe antes da "casa caí" - exilados -
Tomaram muito vinho aí por fora enquanto a "raça" aqui só tomava era muito choque e muita porrada !!!
Teve gente que até virou Presidente !!!
Quem é que não lembra da Copa de 70 ... Porra !!! Os caras jogavam muuuuiiitto !!!
Mas .. nas coxias desse teatro todo ... a história tava mais prá ginástica olímpica !!!
E ... nas coxias ... muitas famílias se encontravam ...
Lá na Tiradentes.
Estação do metrô ?
Não !
Na época não havia uma estação de metrô com todos os contornos, côres, cantos vivos que a arquitetura exibe hoje.
Na época famílias entravam alí por dentro de corredores intermináves.
E ele acompanhava a sua junto com outras tantas. !!
Tudo era muito curioso ... Pois ... chegada certa altura do circuito, depois de muita fila, era homem e menino prá um lado e mulher e menina prá outro.
E era gente prá caralho ...
O silêncio era o rei da festa, digo, da fila ...O que nos restava era olhar um nos olhos do outro como se fosse a última vez ... na real ninguém sabia ...
O mais louco é que a gente tinha que tirar a roupa e depois da "revista" colocar de novo ... umas duas ou até quatro vezes ... dependia da chefia da carceragem .
Prá ele e para os alí presentes isso não "pegava" nada ... Desde que no fim dessa travessia a gente "botasse os olhos" em cima de nossos amados !!!
E o prêmio era esse !!!
Era muito louco ...
Ao mesmo tempo que as famílias chegavam lá dentro do presídio, os presos encontravam não só com seus familiares mas também com suas caras metades, resultado:
Era beijo e abraço prá todo lado ... fora o que devia ser "disfarçado" ...
Dentro de um contexto era lindo de ver !!!
Presos políticos e suas famílias .. abraçados ... cada família formava uma rodinha ... todos abraçados pelos ombros ... todos alí em pé !!!
Ele pequeno, se enfiava no meio da roda ... Tinha Mário, Maria, tinha até baiano !
Uma coisa ele nunca entendeu:
O tio dele fumava a porra de um cigarro francês forte prá caralho - goloaze - sei lá como se escreve isso, nem filtro o bicho tinha, vinha num maço azul calcinha ... Enfim, o cara dava uma tragada atrás da outra, até aí tudo bem ... mais aí ele soltava a fumaça prá baixo no meio da bendita roda ... Vinha aquele fumaceiro de baixo prá cima !!!
Porra ! Por que ele não jogava a fumaça prá cima logo de uma vez ??? Vai sabê né ?!?
Tinha também umas coisas prá comer e beber. Cada família tinha sua festinha particular.
Em uma das tais rodas-famílias, tinha um cara que fazia questão de falar mais alto que todo mundo ... bem revoltadinho o rapaz. Diziam que era filho de milico, e também disseram que ele não falou alto por muito tempo ...
As histórias flutuavam por aquele pátio ... e sempre que ele chegava perto a conversa mudava ... era uma puta confusão prá ele "costurar" os assuntos ...
E ... nesse angu de caroço ... ele ficava andando prá lá e prá cá ... prá lá e prá cá ...
Havia um lugar que ele sempre ia. Enquanto Mários, Marias e baianos malhavam advogados, em um canto do pátio ele parava na frente da grade de entrada dos presos - no caminho das celas. Um corredor que ia escurecendo conforme a distância ia aumentando. Do lado de dentro da grade uma senhora negra ... bem negra ...e bem gorda.
Esta ficava sentada alí ... com as pernas abertas ... toda suada ... chegava a brilhar ... tão úmida como o corredor ...
E os dois ficavam se olhando nos olhos até que ele fugia o olhar.
Na cabeça só lembranças - passeio de barco no lago do ibirapuera ... Esterzita ... conversas ... o tio andando de bicicleta na vila ... banho de canequinha no tanque da casa da vovó ...passeio de fusca com o tio fazendo o maior esporro com a buzina de trem ...
Será que tudo isso acabou ?
Não ... claro que não !
Sempre que dava, com um cigarro recém aceso, aquele ...
Seu tio puxava ele de canto e andavam por alí.
Depois de muita conversa vazia e perguntas do tipo : "Como você anda indo na escola?" Os dois acabavam lá nas latrinas do pátio que, prá ele, eram peças muito estranhas:
Como alguém consegue cagar sentado no chão ???
A conversa vazia acabava ... o problema de cagar sentado no chão já não importava ...
Do alto de seus + ou - oito anos a ficha caía e ele lembrava que aquele cara com uma arma de tambor na cinta, logo começaria a gritar.
Era como se fosse um velório ...
Todo mundo chorando ... e sempre alguém não voltava prá casa.
Mas sempre, antes dos gritos, seu tio olhava dentro dos olhos dele ... oferecia um trago do seu cigarro francês ... e nos olhos do tio ele achava alguma paz que lhe acalmava o coração.

Dona Celina, que não usava nenhuma droga mas sempre foi ligada no 220V, as quartas feiras levava prô filho e prá nora as compras da semana ou como se diz no sul "rancho". Comida, muito cigarro, bebida não alcoólica e muita laranja ( ha! ha!).

Pilotando seu FUSCA 68 azul escuro, toda ou quase toda quarta feira (tinha quarta que o "Seo Mário" pai da Suzi ia - lógico que não ia com o fusca) entregava as compras lá na Tiradentes. Quando digo que ela pilotava não é exagero. A mulher dirigia prá caralho - com todo o respeito - Basta dizer que ela é responsável pela "alfabetização motorística" de alguns, muito em especial, dele seu neto.

Ela era muito boa de volante mesmo ... Ia prá todos os cantos de Sampa. Balizava, dava ré em ladeira, fazia de tudo ... e nas quartas feiras até algumas várias ultrapassagens perigosas. A velhinha no volante "dava nó em pingo de éter" !

E nessas quartas feiras antes de fazer a entregua das compras no presídio, pegava seus então só dois netos lá na usp.

O horário para a chegada na tiradentes era rigoroso. A carceragem pegava pesado.

Graças a alguma professorinha bem "não" comida filha da puta a saída do colégio atrasou.

Sabendo das consequências de um atraso na chegada com as compras no presídio, viu sua vó sair dalí "a milhão" enfiando uma marcha em cima da outra ... apavorada ...

Ele sempre ia na frente ... com a bunda na ponta do banco, as mãos no "puta merda!" com a cara grudada no para-brisa. (não esqueça - estamos nos anos 70 - não existiam cintos de segurança e o tal "puta merda !" ficava em cima do porta-luvas)

Se sentia dentro de um video game, enquanto o irmão, no banco de traseiro, mal respirava.

A velhinha aquele dia ia bater todos os seus tempos. Usou um atalho por dentro do Instituto Butantã, (aquele das cobras) atalho este que chega direto na av. Vital Brasil e então na av. Rebouças, aí é só seguir reto ("toda vida" como diz o manezinho) e chegar no centro, no centro da cidade.

Dona Celina conhecia todos os atalhos, com certeza muitos ela mesma inventou, tais como suas bonecas feitas de sobras de pano, brincadeiras e suas receitas culinárias.

Seus atalhos preferidos eram os que chegavam na igreja de Perdizes. Ninguém conhecia tão bem como ela as travessas, contornos, praças e até o tempo dos sinais das avenidas: Cerro Corá, Heitor Penteado, Dr. Arnaldo e Av. Pompéia.

Dona Celina só não conhecia o efeito do óleo diesel, que os ônibus da cmtc deixavam, sobre o calçamento de paralelelípedo, na última curva na saída do instituto (aquele das cobras).

O fusca rabiou prá direita ... e a danada ainda arrumou ... virou o volante (côr de marfim com aro meia lua de alumínio) numa manobra rápida ... aí o carro veio prô plumo ... só não veio como também passou
e foi com o rabo prá esquerda ... aí seguiu em frente ... desceu um pequeno declive de grama e só parou em um muro de tijolinhos à vista.

Foi coisa bonita de se ver. De se ver e ouvir ... foi uma puta porrada !

No carro todo mundo tonto ... o irmão caçula saiu voando prá cima dele ... ele meteu a cara no vidro ... com o "melado" correndo pelo nariz e pela boca, ajudava a vó se desencaixar do volante. Eles querendo sair do carro e uma multidão de curiosos do lado de fora perguntando prá eles : _ "Que qui aconteceu ?! Que qui aconteceu ??!!"

Era ônibus parando ... polícia ... dava de tudo ...

Era gente aparecendo de todo lado ...só não vieram as cobras do instituto !

Mas ... mesmo com esse rolo todo ... não foi nesta quarta feira que as compras não chegaram ... Dona Celina dava jeito prá tudo ...

Em sua casa as coisas ficaram mais corridas. Muitas visitas e muitas conversas.

Utensílios, pertences, móveis ... Tinha até uma caixa: ela era grande de madeira ... muito bonita ... chaveada. Colocaram num canto da sala e disseram prá ninguém mexer!

Era o maior mistério prá ele e seu irmão ... No fim era só um faqueiro ... hã ?!

Em uma noite ele e a família se arrumaram como se fosse domingo e foram prá um lugar parecido com igreja: um prédio grande, cinza, com escadarias na frente ... muita gente dentro. O deixaram prô lado de fora em um sacada.

Não demorou muito ... tentou entrar ... não deixaram .. aí subiu em alguma coisa, mas só via um monte de cabeças. Era um zum zum zum danado lá prá dentro. Desistiu e voltou prá sacada.

Ficou alí olhando a rua, pensando vai saber o quê ...

Lá pelas tantas viu, saindo pelo andar térreo, uma tripa de gente ... vários ... silhuetas mudas ... de cabeças baixas ... entravam em um carro que hoje ... carrega dinheiro prá bancos.

Muitos sábados passaram ... Muitas quartas também ...

E depois ... bem depois disso tudo ... Seu tio lá no Paraíso leu um artigo publicado em um jornal ... quem sabe a folha ou o estadão.

E entre uma garfada de strogonoff e um gole de conhaque ... seu tio chorou ...

As lágrimas secaram e a vida seguiu dalí em diante ... um pouco mais normal ...


Cigano.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Vá lá que seja


Ainda é dia 2 no Brasil. Cá, começa o dia 3. Um sábado. Ontem, portanto, foi o dia em que comemoraríamos o aniversário de Koldeway.
E, eis que não há mais Koldeway.
O mundo vai em frente. A gente corre atrás.
Lá se foram meu pai, minha mãe. Agora meu cunhado. Disse cunhado? Balela. Irmão. E daqueles em que podes depositar tua vida. Ele segura.
Segurava.
É certo que deixou descendência que não decepciona.
E viva Koldeway Filho! Que adora ser tido por Cigano. Que seja.

Bola pra frente!

domingo, 27 de novembro de 2011

Amor pra ninguém botar defeito


Minha mãe, falecida no final de 1.992, deixou um caderno de anotações, do qual minha irmã me deu cópia de alguns trechos. O que vai a seguir, começa com a indicação de um versículo bíblico:
II Pedro 1:15 -
Mas procurarei diligentemente que também em toda ocasião depois da minha morte tenhais lembrança destas coisas.

Então, mãe, vamos lá lembrar.
O texto (do qual preservo a grafia original) que se segue à menção do versículo é auto-explicativo e, para mim, é música:

Para abrir este caderno de rabiscos meus, quero enfeitá-lo com o maior e mais belo elogio que uma esposa já recebeu.
Alberto escreveu isto quando ia viajar para Belém em companhia dos nossos três filhos e eu ia ficar sòzinha em Santos porque estava me preparando para o concurso de ingresso no magistério.
Eles viajaram em janeiro e iam passar o meu aniversário (31/1) longe de mim.
Ele deixou este escrito na agenda colado à página do dia 31 que, por sinal, estava rasgada. Eu o encontrei antes do dia 31 porque cada dia eu folheava a agenda para ver se havia alguma providência a tomar, pois Alberto havia deixado várias instruções sôbre pagamentos, pregadores a convidar, etc.


"No meu jardim
Numa linda madrugada, eu,
de insônia perseguido,
fui vagar no meu jardim.
A lua envolvia a terra -
noite linda para mim!
Em um cantinho, abandonada,
uma pequenina planta
sustentava meiga flor.
Logo dela fui cativo -
prêso de um imenso amor!
Cultivei-a com desvêlo;
molhei-a com muitas lágrimas,
cerquei-a de muito afeto.
Ela cresceu, desdobrou-se,
perfumou os meus caminhos,
parecia desfazer-se,
acabar-se em me servir.
Eu amei-a, cultivei-a.
Ela subiu, dominou;
tornou-se a mais linda flor do jardim de minha vida.
Muitos dias se passaram -
pressuroso o tempo foi.
E agora - que linda coisa -
na haste rija e mimosa,
aparecem três botões,
são rebentos dessa flor...
serão mais três lindas flores -
lembrança do nosso amor.
Santos, 2-1-1952
ass. Alberto Augusto
Para 31-1-1952


No verso da página, está escrito:

Estes versos não têm rima, nem métrica - são apenas pensamento. São cascata e não reprêsa, irregulares em sua forma, variados, como o que nos vem de Deus e não regulares, geométricos, como o que nos vem do homem. Digo isto, não aludindo à perfeição, que seria pretensão e irreverência, e mentira, mas falo do sentimento e da espontaneidade.
E dou graças a Deus, porque ainda encontrei poesia em minha alma, depois de 17 anos de casado. Nem todos têm esta ventura.
Presente de aniversário para a minha querida esposa.
Alberto.


Na página rasgada do dia 31/1/52 estava escrito:

Êste dia marca mais uma etapa na vida de minha dileta espôsa. De certo não estarei aqui, por isso que ela estará sozinha; mas nós, seu esposo e filhos, pensaremos nela e agradeceremos efusivamente ao Senhor a espôsa e mãe que nos deu. Pediremos ao Deus eterno que lhe prolongue a existência, porque, sem ela, a nossa vida seria como esta folha dilacerada: de menos utilidade, de menos beleza, porque ela torna estas vidas mais fecundas e mais belas.
assinado: Alberto Augusto, por êle e pelos filhos


14-1-52 (na mesma agenda, respondi:)
Quero escrever, mas não posso, as lágrimas me sufocam.
Você sabe que eu não sei dizer o que sinto escrevendo, por isso queria voar até Belém para abraçá-lo muito e muito para mostrar quanto bem me fizeram êstes versos que me falam tanto à alma e ao coração.
Choro de alegria por não ter apagado a poesia do seu coração, choro de arrependimento pelas muitas vezes que podia ter aumentado essa poesia e não o fiz e pelas vezes, mesmo, que concorri para que ela se enfraquecesse.
Mas não me esqueço nunca que se aquela tão frágil plantinha não tivesse sido tão bem amparada e tão cercada de amor, não teria se tornado, como você diz, em planta rija e forte.
Mas nós dois, unidos assim e amparados pela misericórdia divina que tão pródiga tem sido para conosco, havemos de fazer do nosso lar uma árvore frondosa e resistente e os nossos filhos hão de gloriar-se de serem frutos de uma árvore assim.
Recebi o presente antes do dia porque fui folheando o calendário mais para adeante para ver se havia alguma instrução que precisasse de providências anteriores, mas foi bom, porque achei o tesouro mais cedo.
Sua espôsa agradecida.


Dizer o quê?!

sábado, 26 de novembro de 2011

Aurora em Bragança


São 7:16 da manhã. O sol não surgiu no horizonte mas já clareou o dia.
A temperatura, lá fora, é de 3,5 ºC. Abro a janela apenas o tempo suficiente para furtar esse instante à natureza.

CLIQUE PARA AMPLIAR

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Efeméride


Comunico solenemente a toda gente que dona Doga Pitucha, que mais uns dias completa 8 anos de vida intensa (talvez nem tanto), acaba de receber seu passaporte da União Europeia.
Sei que (quase) ninguém vai interessar-se por isso, mas garanto que tampouco ela o fará.

CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Sobre o teste da revista Sábado


Quando eu estudava nos cursos fundamentais, lá pelo início da adolescência, era comum ouvir meu pai vociferar contra o ensino da época. E não era só ele que praticava o esporte de louvar o ensino de antigamente, aquele pelo qual haviam passado os mais velhos.
E o hábito persiste: não me lembro de nenhuma época em que o estilo de ensino vigente tenha sido considerado por muita gente como superior aos estilos anteriores.
Parece que a avaliação do ensino ministrado à gurizada tem a sina de conviver de modo permanente com a decadência.
E, digo logo, não sou exceção à regra.
Mas, como dizia aquele personagem posto por acaso nu em um elevador:
- Primeiro, calma!
Essa conversa mole vem a propósito de uma pesquisa que a revista portuguesa Sábado (que circula às quintas; e isso não é piada de português) fez junto a estudantes de universidades de Lisboa.
Formularam-se dois questionários de 10 perguntas cada e os submeteram a cem alunos abordados à entrada (ou à saída) das aulas, em plena rua. Não entendi qual a distribuição dos dois questionários. Imagino que cada um deles foi utilizado na abordagem de metade da amostra de universitários.
A ideia foi apresentar aos universitários perguntas que exigissem conhecimentos rudimentares.
Eis o conteúdo dos dois questionários:

1.Quantos quilos tem uma tonelada?
2.Em que ano aconteceu o 25 de abril?
3.Como se chamava o maior campo de concentração nazi?
4.Que actor protagonizou O Padrinho?
5.Quem é Manoel de Oliveira?
6.Quem escreveu O Evangelho Segundo Jesus Cristo?
7.Quem escreveu Os Maias?
8.Como se chama a chanceler alemã?
9.Quem é o presidente da Comissão Europeia?
10.Quem é o presidente dos EUA?



1.Quem pintou o tecto da Capela Sistina?
2.Quem pintou Mona Lisa?
3.Qual é o maior mamífero do mundo?
4.Qual é o símbolo químico da água?
5.Qual é a capital dos EUA?
6.Qual é a capital de Itália?
7.Como se chama o fundador da Microsoft?
8.O que significa a sigla LOL?
9.Que instrumento toca Maria João Pires?
10.De que banda fez parte John Lennon?

A matéria publicada na revista Sábado tem um clima de escândalo. Algo na linha:

- Oh! Como são ignorantes esses universitários! A que ponto chegámos!

Deixem-me, antes de mais, dar um depoimento pessoal.

Fui criado no Brasil. Terminei meu curso de engenharia eletrônica em 1.967, já lá se vão bem mais de 40 anos. Cursei uma das três melhores escolas de engenharia do país (claro que alguns ex-alunos dirão ser a melhor...). Antes disso, fui sempre dos alunos mais aplicados no ensino fundamental (pré-universitário).
Pois bem: das 20 questões acima, não sabia responder a duas (não tinha a menor ideia de qual o maior mamífero do mundo e não lembrava a expressão em inglês resumida na sigla LOL, apesar de saber do que se tratava). Além disso, se abordado na rua e instado a responder a algum dos dois questionários, talvez confundisse o nome de quem pintou o tecto da Capela Sistina com o nome de quem pintou a Mona Lisa. E isso apesar de já ter disputado acirradamente espaço no Louvre com uma multidão de orientais para contemplar o bendito quadro.
Está bem que se o universitário português não tem a menor ideia do que tenha sido o 25 de abril, a coisa é grave. Mas se o dito cujo souber do que se trata e apenas não se lembrar se foi em 74 ou 75 ou 82, qual o problema? Além do que, apenas 14% não souberam acertar o ano. O que significa que 86 estudantes em 100 acertaram.
Aliás, por falar em percentagens, 2% não sabiam quantos quilos tem uma tonelada, 2% não acertaram o nome do presidente dos EUA, 6% não lembraram qual o símbolo químico da água e 12% não souberam dizer qual a verdadeira capital de Itália.
Ora, em qualquer pesquisa, sobre qualquer tema, em qualquer lugar, algo em torno de 10% da amostra sempre vai descambar para absurdos. Se você fizer uma pesquisa no noroeste da Noruega (espero que a Noruega tenha noroeste) sobre, digamos, religião, encontrará seguramente uns 10% de adoradores do Sol.
O facto de 34% de universitários não saberem a que banda pertencia John Lennon me deixa na dúvida: devo lastimar os 34% ou é mais adequado lastimar os 66% restantes?
E olha que gosto de muita coisa produzida pelos Beatles.
Quanto a O Evangelho Segundo Jesus Cristo, eu sabia que tinha sido escrito por Saramago. Isso não me ajudou a passar das primeiras páginas do livro em algumas tentativas que fiz de lê-lo.
Enfim, podem anotar: daqui a uns 20 anos esses mesmos universitários estarão a lastimar o nível do ensino ministrado a seus filhos.
E dirão, consternados:
- Que decadência! Ah! no meu tempo...

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Plano de vôo


Faz tempo, imaginei uma viagem à região de Cognac, na França. Não sei por quais cargas d'água, cá em Bragança os whiskys oferecidos são dos bons e a preços excelentes, mas cognacs existem poucos em oferta e a preços um tanto salgados. Qualquer dia desses, vamos partir em direção a Cognac.
Basta sair daqui para o norte, passar uma primeira noite em San Sebastian (Donostia, em basco), ou em Biarritz, já na França, no dia seguinte seguir sempre ao norte e desembocar em Bordeaux, para visitar Cognac, logo ali, mais um pouco acima.
Feitas as devidas aquisições, voltar por caminho análogo.
Dá pra fazer a ida em apenas um dia, mas como sou descansado, pensei em dividir a ida (e depois, a volta) em duas etapas.
Ainda não chegou o momento de fazer essa viagem e eis que me surge a ideia de outra.

Trata-se de viagem ligada a vinho, não mais a cognac.
Consiste em sairmos daqui em direção a leste, até alcançar Valladolid. São exatos 201 km. Por estradas de primeira qualidade. Portanto, algo como menos de duas horas.
A partir de Valladolid, visitar as vinícolas da Ribera del Duero, produtoras dos vinhos mais sofisticados da Espanha.
Claro, não comprarei um Vega Sicilia Unico, o vinho espanhol mais caro. Afinal, minhas armas não são desse calibre. Mas algo um pouco abaixo desse nível deve ser possível.
Se a viagem for realizada ainda neste outono, será possível contemplar paisagens magníficas.
Como o frio intenso ainda não chegou, pode ser que possa ser...

A Doga, de certeza, vai adorar os ares de Valladolid.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Acaso e crença


Já me aconteceu de conhecer alguém e ouvir dessa pessoa:
- Não foi por acaso que nos conhecemos.
É sempre a dificuldade de aceitar que os eventos se sucedem ao acaso.
Parece que aceitar isso é admitir a nossa enorme insignificância.
E, no entanto, essas mesmas pessoas gostam de lembrar, com freqüência, o quão insignificantes somos diante da vastidão do Universo. Isso quando se trata de enaltecer algum deus de plantão.
Há algum tempo aprendi que esperar uma postura com alguma lógica dessas pessoas (infelizmente, a grande maioria) é inútil.
A Internet, então, tornou-se o paraíso dos que adoram falar de flores, pássaros, sentimentos nobres e como tudo isso causa a felicidade.
E dá-lhe power point, com música melodiosa de fundo (ligue o som!).
Se eu fosse governante, principalmente em país europeu nesse momento de crise, instituía um imposto sobre power point criado e sobre seu repasse.
Das duas uma: ou resolvia a crise ou acabava com essa mania de criar e repassar power point.
Ora, se um indivíduo quer acreditar em um deus qualquer, isso é problema dele. Só se torna problema meu quando o mesmo indivíduo resolve que eu também devo acreditar no deus dele.
Quanto a mim, se me permitem, prefiro entender que cá estamos por acaso, nascemos ao acaso, vivemos ao acaso e morreremos por acaso. E isso me parece deslumbrante. Não preciso de causalidade que me explique nada disso.

Nesse aspecto, os portugueses têm o hábito salutar de usar uma expressão que enaltece o acaso: é o se calhar.
Usa-se o se calhar a propósito de quase tudo, nesta terra católica.

Se calhar, nem católica é.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

O vinho e a salvação


Leio em algum lugar que o vinho foi introduzido na Espanha por comerciantes fenícios, há três mil anos.
Duvido que esses indivíduos tivessem plena noção da importância da contribuição que davam ao continente europeu. O que não lhes diminui o mérito.
E graças a essas associações de ideias que só ocorrem a ociosos, lembrei-me de meus primeiros passos rumo à descrença nas verdades cristãs.
Foi quando resolvi perguntar a meu pai como ficava a situação dos índios habitantes do Brasil antes dos descobrimentos, no quesito salvação.
Meu pai devolveu-me um meio sorriso carinhoso e ofereceu-me o conselho:
- Deixa pra lá os índios e preocupa-te contigo.
Claro que não estava eu preocupado com os índios. Estava, sim, preocupado com a lógica de uma doutrina que já começava a me parecer sem pé nem cabeça.
Se um indivíduo, qualquer um da espécie humana em qualquer época, só vai para o céu, usufruir do prazer eterno, se aceitar a Cristo como seu salvador, me parecia - já naquela época - totalmente injusto mandar para o inferno indivíduos que jamais tiveram qualquer remota possibilidade de se valerem do sacrifício do Calvário.

Ou então as inscrições para o céu por meio de Cristo deveriam ter data de início e mais algumas condicionantes, como por exemplo as geográficas.

Mas volto aos fenícios. No que me tange, terem sido os responsáveis últimos (ou primeiros...) por me ser dado usufruir do milagre do vinho já lhes reserva um belo sítio no paraíso eterno.
Quaisquer que tenham sido seus inevitáveis pecadilhos.

domingo, 6 de novembro de 2011

Acasos


Neste domingo, com sol em Bragança, fomos até Sendim (Miranda do Douro) almoçar no Gabriela, restaurante que serve alheiras fantásticas seguidas de posta mirandesa com um molho que é segredo antigo da casa.
Depois de algumas desavenças com o GPS, conseguimos chegar ao Gabriela.
No Largo da Igreja, onde fica o Gabriela, havia - seguramente - uma vintena de velhinhos a vigiar a vida.
Ao final da refeição, como não podia deixar de ser, pedi à senhora que nos atendeu que nos desse a receita do molho. Apenas para ouvir uma negativa imediata e sucinta:
- Não é possível. Resposta seguida de um sorriso.
Ao sair do restaurante, nossa acompanhante - uma amiga brasileira que vive cá há mais de dezesseis anos e ama esta terra - esclareceu:
- Está na hora dos velhinhos fazerem o lanche.
Perguntei:
- Como sabes que já é hora?
- Simples. Já não têm o palito à boca.
E detalhou:
- Quando acabam de almoçar, ficam todos a palitar os dentes. Como já não o fazem, é porque está na hora do lanche.
Saímos de Sendim e fomos orientados a seguir caminhos esdrúxulos pela locutora do GPS. Estranhos caminhos mas maravilhosos.
De repente, surge ao lado da estrada a Quinta dos Melros, com dezenas e dezenas de galinhas a passear em um relvado amplo.
Lá fomos nós.


CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
Saímos de lá com ovos e mais ovos.

Há quem pretenda ter controle sobre seu atos.
Determinar o rumo de seus passos.

Nada disso.
O acaso é o melhor conselheiro.

sábado, 5 de novembro de 2011

Remoto passado


Fomos hoje à aldeia - a Passos.
Havia por lá alguma agitação.
O filho de minha prima caçula, que sempre vai às castanhas ajudar aos pais, mora no Alentejo, trabalha na GNR, mas anseia pelo dia em que poderá reformar-se e voltar às origens.
Estava ele a promover uma festança a propósito da colheita das castanhas. Incentivava uma enorme fogueira, enquanto outros punham a arder sardinhas e febras a serem saboreadas com pão e vinho.
Quanto a nós, lá tínhamos ido a cumprimentar minha prima, a outra, a mais velha, pelo aniversário. Um rápido exame do BI e eis que a efeméride fora dois dias atrás.
E quem se importa. Na aldeia, pelos vistos, não se comemoram aniversários.
A Baixinha não deixou de arrebatar duas sardinhas. E aproveitámos a passagem do vendedor para comprar cinco litros de azeite.
Na casa de outra prima todos tinham ido às castanhas. Menos o puto de uns dez anos.
- Por que não foi ele a colher castanhas? pergunta a Baixinha, curiosa como sempre.
- Porque não quer!, responde a avó, com naturalidade.
E o guri continua, entediado, a bisbilhotar a Internet.
A educação vai ladeira abaixo, em Portugal.
Fosse eu o pai, puxava-o pela orelha e o levava a catar castanhas. Quisesse ou não.

Mas, ao que todos os sinais indicam, isso faz parte de um remoto passado.

Quase


Estive hoje em uma livraria, no centro comercial de Bragança. Fora alguma ficção de Rentes de Carvalho, nada - ou quase nada - a aproveitar.
Vou ter de visitar o Porto com maior freqüência...
Nada é perfeito. Nem Bragança.
Mas quase, quase.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Mistérios


A árvore abaixo é uma oliveira. Até aí, tudo bem.

CLIQUE PARA AMPLIAR
Ora, a laranjeira dá laranja, a bananeira dá banana, por que raios a oliveira dá azeitona?!

CLIQUE PARA AMPLIAR
As vagas para os veículos foram cuidadosamente demarcadas. Por que diabos a segunda faixa ficou menor que as demais?!

CLIQUE PARA AMPLIAR

domingo, 30 de outubro de 2011

Portugal é comer bacalhau em Lisboa


Para a grande maioria dos brasileiros, Portugal resume-se a Lisboa. O surpreendente é que para boa parte dos portugueses também.
Se tal simplificação (um antigo professor de Física já dizia a nós, seus alunos: não confundam simplificação com amputação!) é - ou deveria ser - inaceitável, há outra igualmente lastimável, espero que - neste caso - só cometida pelos brasileiros: a de que a comida, em Portugal, restringe-se a variações em torno do bacalhau.
Não conheço brasileiro (dos que nunca vieram a Portugal, ao menos) que não pergunte a quem visitou Portugal:
- Comeste muito bacalhau por lá?
Preocupado que sou com o nível cultural do povo brasileiro, enumero a seguir alguns pratos encontradiços no cotidiano deste retângulo ocidental da Europa, no qual come-se melhor e de modo mais variado que em quase toda parte do planeta.
Como não sou nenhum erudito no assunto, limito-me a copiar nomes de pratos servidos em restaurantes de Portugal e constantes do guia de restaurantes de 2.011, publicado pela revista Sábado (copiei alguns, ao acaso):
Arroz de cabidela, Cavala fumada com caviar, Sopa de tomate, Frango com alheira e polenta de sarrabulho, Perdiz estufada com grelos e castanhas (essa come-se aqui ao pé de casa, no Geadas de Bragança), Arroz de lebre, Leitão confitado e puré de batata-doce, Bife tártaro com alcaparras, Terrina de rabo de polvo das bruxas, Tortellini de massa de algas com lavagante, batata-doce e emulsão de champanhe e cebolinho, Arroz de entrecosto, Bochecha de bísaro guisada em verde tinto, acompanhada com canela e leite-creme com louro, limão e rojões, Capão recheado com enchidos, Pombo com chila e folhado de foie gras, Arroz de pato com passas e pinhões, Cabrito ao vinho do Porto com favas e alheira de caça, Pitéu de safio (um estufado do peixe com ervilhas), Anho assado, Sarrabulho e rojões, Vitela assada, Arroz de fumeiro etc etc.

Ah! Há bacalhau preparado das mais variadas maneiras.

sábado, 29 de outubro de 2011

O cuidado com as fontes


Não me parece necessário ler José Honório Rodrigues (História da História do Brasil ou Teoria da História do Brasil, por exemplo), ainda que seja desejável, para se perceber a importância de bem avaliar as fontes das quais se bebe informação.

Essa observação vem a propósito da enxurrada de e-mails que invade minha caixa postal a propósito dos mais variados assuntos, sempre com tons de final-de-mundo, ora a elogiar os dons curativos da limonada, ora a alertar para o uso de sandálias made in China.
Hoje, por exemplo, estava eu a ler os e-mails recebidos enquanto a Baixinha descongelava uns filetes de peixe-gato para nosso almoço.
De repente, leio horrores sobre os tais pangas. Para uns, peixes criados em pântanos fétidos do Vietname; para outros, peixes alimentados por rações recheadas de substâncias altamente tóxicas.
Corro à cozinha, relato tudo à Baixinha e resolvemos devolver os filetes ao congelador até pesquisas mais conclusivas.
Feitas algumas pesquisas no Google, logo descubro que tudo não passa de alarmismo ou interesseiro ou muito ingênuo.

Saboreamos filetes de pangas no almoço, acompanhados de um delicioso vinho alentejano, claro, claro.

Seria tão bom se as pessoas, antes de saírem a repassar todo e qualquer lixo electrónico que recebem, fizessem umas rápidas pesquisas via Google ou outro qualquer programa de busca disponível na internet.

Ora, ora. Há tanta coisa que seria "tão bom"...

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Humor de Estado


Há tempos não me interesso quase nada pelos assuntos brasileiros, particularmente os políticos.
Contudo, hoje, resolvi ler alguns jornais brasileiros.
Na coluna Panorama Político (de Brasília), publicada sempre à página 2 do jornal O Globo, do Rio de Janeiro, leio:

Despacho roubado


O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), determinou a abertura de investigação, pela Polícia Legislativa, para averiguar o roubo de um pé de arruda do hall do apartamento do deputado Paulo Magalhães (PSD-BA). "Esta Casa está obrigada a adotar um posicionamento firme para apurar o desaparecimento desse vaso de arruda, que nós colocamos com o objetivo de nos proteger dos maus-olhados e trazer alguns benefícios", disse Magalhães, na tribuna.


Ponto final.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Conversa de barbeiro


- Você é brasileiro, não?
- Sou português, mas vivi sempre no Brasil.
- Percebe-se, pelo sotaque.
- Pois é. Até tento imitar o português, mas é difícil.
- Nós aqui também tentamos imitar o brasileiro...
- E também não conseguem...

- É verdade que no Brasil barbeiro também significa o que conduz mal?
- Sim, é. E barbeiragem é o que faz o condutor do veículo ao executar mal uma manobra.

- Certa vez esteve cá um brasileiro e pediu-me que lhe cortasse as costeletas. Fiquei sem entender... Depois é que entendi que ele queria que lhe fizesse as patilhas.
Pensei mas não disse:
- E por que não lhe perguntou se as queria bem ou mal passadas?

sábado, 22 de outubro de 2011

Amarelas


No início, achava estranho que houvesse tantas vivendas amarelas em Bragança. E, diga-se, trata-se de um amarelo forte, intenso. Pra lá de gema de ovo.
Parecia-me um bocadinho de mau gosto.
Agora que vivo cá meu primeiro outono, começo a perceber que faz algum sentido pintá-las assim.
Devo essa mudança de apreciação ao convívio diário com multidões de folhas amarelas caídas ao chão.
Ainda bem que não as varrem.
Fazê-lo seria desonrar o outono.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Chantagem de mãe


Estava eu a passear o cão, no Parque da Braguinha, lá pelas 11 horas da manhã. Passa por mim uma senhora vestida em tons escuros, enormes botas em pele, pretas, daquelas de salto-agulha que cá em Bragança as mulheres utilizam para ir ao talho. Enquanto caminha fala ao telemóvel.
Os fragmentos de conversa que me chegam indicam que fala com a filha e a chama a almoçar. Parece que, do outro lado, a filha recusa o convite.
Diz então a mãe:
- Mas já comprei o frango...
E logo encerra a conversa, de certeza com o convite já aceito.
Fico a pensar: por que a mãe não telefonou à filha antes de comprar o frango?
E a resposta é óbvia:
Porque é mãe.

sábado, 15 de outubro de 2011

Formas


Se as montanhas, vales, planaltos, planícies, colinas e que tais fossem pirâmides, paralelepípedos, cones e demais formas ditas geométricas, talvez o ensino da matemática devesse ser alterado.
Começar-se-ia por complexas equações que descrevessem formas repletas de ondulações, de pequenas concavidades, de grandes abismos.
Só mais tarde, em cursos de matemática avançada, chegar-se-ia a fórmulas descritivas de cubos, esferas, dodecaedros.
Um mundo geométrico seria simples, mais compreensível.
Do modo como está, fica-se às voltas com superfícies não planeadas, irregulares, assimétricas, quase aleatórias.
Ainda bem que sobre tudo isso paira uma lua esférica, impecável:

Clique para chegar à lua

Maria João


Como português fajuto que sou, não conhecia Maria João, a cantora.
Hoje, no Teatro Municipal de Bragança, pude ouvi-la, acompanhada pela Orquestra de Jazz de Matosinhos.
Dona de extensão vocal enorme, de emoção quase infinita, Maria João levou o espetáculo ao ápice ao interpretar Baden e Vinicius (Canto de Ossanha), Tom (Lígia) e - maravilha! - Edu e Chico (Beatriz).
Só pra ilustrar, aí vai uma amostra do balanço da cantora:

sábado, 8 de outubro de 2011

A Cópia


E havia um deus todo poderoso que morria de inveja de outro deus, um deus todo criativo, muito engenhoso e jeitoso.
Vai daí, o todo-criativo teve a ideia de criar um mundo.
E começou por iluminá-lo de modo deslumbrante.

Roído pela inveja, o todo-poderoso pôs-se a imitar o rival.
Por desgraça, seu projeto de iluminação foi mal calculado. A energia programada não permitia intensa iluminação ininterruptamente.
Havia blecaute todo santo dia. Os áulicos, para disfarçar, pediram ao marqueteiro do todo-poderoso que imaginasse algo para amenizar o fracasso.O marqueteiro começou por chamar os blecautes de noites. Muda-se o nome, muda-se a imagem, como todo publicitário sabe. E, em meio à escuridão, conseguiu – com um quase nada de gasto energético – que algumas luzinhas piscassem. Construiu até uma luminária de luz branca (para economizar energia) que se acende durante a tal noite, é verdade que nem sempre por inteiro.

Em uma segunda etapa, o todo-jeitoso separou as águas da terra das águas dos céus.
Já o poderosão se atrapalhou todo para imitar essa separação e terminou por inventar a chuva e seus derivados menos amistosos: granizo, nevasca etc etc. Em compensação, tornou-se o patrono da indústria de chapéus-de-chuva, capas impermeáveis e que tais.

Na terceira fase, aquela em que o todo-faceiro criou as ervas dos campos, as árvores e tudo aquilo que faz a alegria dos vegetarianos, o grosseirão, o outro, até que não fez tão feio. É certo que andou a criar as urtigas. Mas nada que se compare às bobagens posteriores.

Por ter o deus-artista-plástico dado uma paradinha pra repor energias, o omnisciente (mais tarde conhecido por Google) resolveu gastar a quarta etapa a tentar convencer toda a gente que essa história de dia e noite, sol e lua, estiagem e chuva, era o supra sumo.

Na quinta fase a lambança foi total. Enquanto o primeiro-designer criava pavões, pássaros deslumbrantes em sua plumagem, peixes coloridos etc etc, o todo-invejoso começou por criar o rato ao tentar construir um pássaro. Na segunda tentativa saiu-se pouco melhor: criou o morcego. E dá-lhe moscas, pernilongos, gafanhotos etc etc. Isso pra não falar em uns bichos totalmente desengonçados que Ele mesmo percebeu que haviam saído fora de esquadro e lançou-os ao fundo do mar, pra evitar maior vexame.

É ocioso enumerar a quantidade de asneiras produzidas pelo todo-imitador. O cúmulo ele o atingiu ao criar o homem.
Mal havia construído o cidadão, se deu conta de que não o havia dotado de forma alguma de reprodução.
Toca a construir um complemento que – ao ser-lhe acoplado – permita a perpetuação da espécie. Aliás, isso era necessário porque o homem foi criado com data de validade.

Uma digressão: tive um mestre que ensinava: quando algo começa errado, não tente consertar, desista.
Pois o omnipresente parece ter faltado a essa aula. A cada erro, uma tentativa de correção.

Para sanar as lacunas na construção do homem, criou a mulher.

Levou-os a habitar um Paraíso que paraíso não era. Ao menos a pedagogia moderna ensina que não há paraíso onde há qualquer proibição.
Sabe-se lá por quais motivos, o todo-atabalhoado inventou um paraíso em que uma fruta era para não ser comida.
Ainda por cima, quando Adão e Eva resolveram valer-se da melhor coisa que o todo-desastrado criara – o sexo – chutou-os do tal Paraíso e rogou-lhes várias pragas (trabalho, dor de parto etc etc).

Enfim, um desastre.

Já o Universo do todo-engenhoso ficou uma graça.
Não à toa, cada vez é maior o número de indivíduos nesse nosso mundo imperfeito que cultuam o deus todo-criativo.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

A República, o Douro, o Jazz


Anteontem foi feriado da República aqui em Portugal (5 de outubro) e, só pra contrariar, fomos almoçar na monárquica Espanha.

Fomos à cidade de Zamora, que fica a 100 km aqui de casa.

A cidade é muito bonita. Além de guardar muita história: a independência de Portugal, com o reconhecimento do Reino de Portugal, deu-se pelo Tratado de Zamora, lá no ano de 1.143. Por incrível que pareça, eu ainda não havia nascido.

Almoçamos no restaurante Mirador, às margens do Duero, aquele mesmo que depois que entra em Portugal passa a ser chamado de rio Douro. Depois de uma deliciosa entrada de morcilla, parti para um arroz zamorano, uma espécie de paella com chouriças e outras maravilhas suínas no lugar dos ingredientes da paella.


O Mirador fica na parte histórica de Zamora
Vista desde o salão de refeições do Mirador

E por falar em Douro, ontem à noite fomos a uma apresentação de jazz, no contexto do Douro Jazz. Aqui em Bragança são quatro noites. A de ontem foi com uma cantora de origem portuguesa mas nascida na Austrália, chamada Melissa Oliveira. Ela compõe suas próprias músicas, ou ao menos escreve as letras para melodias que interpreta. Ela foi acompanhada por quatro músicos: o americano Jason Palmer (trompete), o russo radicado nos EUA Alexei Tsiganov (piano/vibrafone), João Artur Moreira (bateria) e João Cação (contrabaixo).

Espetáculo de rara perfeição técnica. Melissa faz o que quer com a voz. Os demais músicos são - para usar imagem do mundo automóvel - topo de gama. Do baterista o grupo interpretou duas composições lindas. Os improvisos foram fantásticos, particularmente os de trompete (Jason Palmer) e os de voz (Melissa).

Jazz de gente grande.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Minhas lições de Espanhol


Não faz muito tempo, cheguei a Madrid, vindo do Brasil, e pretendia visitar Salamanca. A Baixinha foi acometida de uma violenta crise de sei-lá-o-quê. Espirrava sem parar. Pediu, então, que eu parasse em alguma farmácia para comprar lenços de papel.
Entrei na primeira cidadezinha espanhola que apareceu, parei diante de uma farmácia e lá fui eu.
Como pedir lenço de papel? Consegui explicar-me de algum modo. Já de posse da caixa de lenços de papel, perguntei à simpática atendente como se dizia lenços de papel em espanhol.
Candidamente, ela me elucidou:
- Kleenex.

CLIQUE PARA ASSOAR O NARIZ

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

O amor em Portugal


As diferenças entre o Português praticado em Portugal e o usual no Brasil são muitas.
No Brasil alguma ação ou providência pode vir a dar resultado. Em Portugal, pode resultar.
Lá a indústria que monta os carros é a indústria automobilística. Cá as viaturas são produzidas pela indústria automóvel.
No Brasil, restauração é o ato ou efeito de restaurar. Em Portugal também. Mas aqui pode ser, por influência do francês, o conjunto de atividades vinculadas a restaurantes e similares.
No Brasil as pessoas educadas falam por favor. Em Portugal diz-se faz favor ou se faz favor (que até se abrevia, na escrita, sff).

Não sei se o amor, em Portugal, é mais intenso. Mas seguramente os amantes, aqui, são melhores na colocação pronominal:

Por discrição, omito o nome da amada

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

O Vinho


Esta tarde, sem razão aparente, resolvemos ir a Passos.
Lá chegados, encontrámos as primas vindas das vindimas. Ou seja, haviam colhido as uvas, tínham-nas já esmagado com a máquina eléctrica (o que não exime de completar o esmagamento com os pés) e deixado o resultado a repousar, melhor dito, a ferver.
Ao aproximar o ouvido dessa grande cuba de plástico na qual repousam as uvas esmagadas, ouve-se o ruído da fermentação, ruído grave, proveniente de séculos de tradição do cultivo do vinho.

AO CLICAR, INFELIZMENTE NÃO OUVIRÁ O RUÍDO DA FERMENTAÇÃO
Fiquei a imaginar (obviamente sem sucesso) o caminho percorrido pela humanidade até o domínio do processo completo da produção do vinho a partir da uva.
Essa massa fervente deve, ainda, passar por alguns tratamentos: tem de ser mexida periodicamente com a pá de madeira que aparece, discreta, no alto da foto. E outros detalhes que aqui não cabem (mesmo porque não os domino).
Tudo isso se origina dessas frutas aí embaixo:

CLIQUE PARA AMPLIAR
Cada cacho desses é composto de uvas com nome próprio, como nós, humanos.

Ao contemplar parte do processo de fabricação do vinho, quase me sinto obrigado a ajoelhar-me e agradecer à humanidade essa dádiva.

Maravilhoso, o vinho.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Chuva usa chapéu?


Se no Brasil CPI não emplaca mais e os jornais continuam com o mesmo número de páginas, dá-lhe inovação. Nos jornais, nas rádios e na TV a ordem, agora, é correr atrás do lucro pra não incidir em risco de morte.
Desde que o Latim pariu o Português as pessoas normais correm risco de vida. Já nossos bravos jornalistas não.
Correr atrás do prejuízo, então, nem pensar. Deve-se correr atrás do lucro. Só pode ser influência do tal evangelho da prosperidade, aquele do pessoal que esconde dólar em bíblia.

CLIQUE PRA CORRER ATRÁS DO PREJUÍZO

Pois sugiro mais aos doutos jornalistas: parem de falar guarda-chuva. Cá em Portugal prefere-se chapéu-de-chuva. Afinal, o bicho não foi feito para guardar a água da chuva. Caso contrário seria balde.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Para o rol das histórias incríveis


Já há muito tempo tínhamos nós (a Baixinha e eu) telemóveis pré-pagos, da tmn. Por não morarmos ainda em Portugal, não era conveniente termos pós-pagos.
Durante o tempo em que ficávamos no Brasil (a maior parte do tempo) mantinha meu telemóvel ligado para receber chamadas. Raramente recebia alguma. Mas, quando consultava meu saldo verificava que ele definhava como se tivesse sido acometido de alguma anemia. É verdade que recebia, com bastante freqüência, mensagens de uma entidade chamada Movilisto, a presentear-me com créditos para não sei qual finalidade.
Logo que viemos definitivamente para Portugal, fomos a uma loja tmn e convertemos nossos telemóveis em pós-pagos. Os créditos restantes de carregamentos anteriores - foi-nos informado - serviriam para abater débitos futuros. O telemóvel da Baixinha (que no Brasil permanecia desligado) tinha em torno de 70 euros de saldo. O meu, como já disse, sofria de algum mal que lhe furtava as energias.
Hoje fomos à Bluestore (é assim que se intitulam as lojas tmn/meo/sapo) para reclamar nossos saldos remanescentes da época dos pré-pagos, não considerados na primeira factura que recebemos.

Descobrimos que cada mensagem da tal Movilisto nos arranca 2 €.

A jovem que nos atendeu nos ensinou a mandar às favas a tal Movilisto: manda-se uma mensagem para 62226, com o texto: Sair
Recebe-se, em seguida, mensagem a informar que fomos desligados da tal Movilisto, perdemos todos os créditos que nos haviam sido outorgados e - caso nos arrependamos - basta enviar mensagem com o texto: Voltar

A ver se esse procedimento resulta.

Pelo que leio na Internet, essa maluquice já vem de longe. Há vários anos esse furto descarado ocorre.

Vou pedir ao Alberto João Jardim, da Madeira, que me ajude.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Lá se vai o verão,
lá vêm as dúvidas


A temperatura, cá em Bragança, ainda é um bocadinho alta: são 23:30 e lá fora está um tempo aprazível, 21,5 ºC.
Há pouco fomos deitar fora o lixo. A Doga regalou-se com o passeio extra.
Será nosso primeiro outono totalmente passado em Bragança.

Deixo de lado essa conversa de elevador e falo de minha experiência inicial com o sistema de médico de família, neste estado europeu que - segundo os americanos do norte - é praticamente comunista.

A princípio gostei da ideia: ter um médico que te acompanha e orienta a consulta a especialistas, indica os exames básicos a fazer etc etc.

Quando visitei meu primeiro médico de família descobri a inevitável falha de qualquer sistema que envolva seres humanos: se eles falham, o sistema falha.

Meu primeiro médico de família era terrivelmente ruim. A experiência da primeira (e, felizmente, única) consulta foi traumática, jamais a esquecerei.

Percebi, então, que se o cidadão cai nas mãos (quase escrevia garras) de um médico ruim ele está em maus lençois.

Em meu caso, consegui mudar de médico por ter sido inaugurado um novo posto de saúde praticamente ao lado de casa. Meu novo médico de família é excelente.

Hoje me dei conta de um segundo defeito no sistema: ao ser cuidado pelo Estado, o cidadão passa a ser refém do mesmo. O médico determina que o indivíduo proceda assim ou assado, tome tais ou quais vacinas etc etc. Se o indivíduo não seguir as recomendações médicas sujeita-se a perder suas regalias (as consultas e remédios são praticamente gratuitos).

Minha vivência ainda não permite saber se existem - de facto - punições para os omissos. Talvez não as haja. Quanto a mim, diga-se, gosto de ser tutelado quanto à questão de saúde.

Levanto, aqui, uma questão de princípio, não uma reivindicação pessoal.

E se o indivíduo preferir contrariar as orientações médicas? Qual será a "reação" do sistema?

De bicicletas


Já contei, neste blog, como ganhei minha primeira bicicleta. Foi às vésperas de completar 11 anos.
Com ela vivi experiências fascinantes (ao menos para um guri de 11 anos).
Ao partir de Santos rumo a São Paulo, lá ficou minha bicicleta. Tinha eu, então, 16.

Chegado aos 37 anos, 21 anos depois, portanto, comprei nova bicicleta. Essa segunda não chegou a tornar-se companheira íntima. Tivemos uma relação efêmera, como, aliás, foram todas as minhas relações nessa época. Pra dizer a verdade, nem me lembro de como me desfiz dela. Mas deve ter sido por volta de 1.986, quando eu já somava 41 anos de idade.

Pois bem. Hoje, tomado de coragem, adquiri minha terceira bicicleta.


Faz algo como 25 anos que tive a segunda.

Ao levá-la a casa (ou a ser levado por ela, sei lá) senti uma emoção difícil de descrever. Algo parecido com um reatamento com a infância.

Diga-se: quando era garoto, conduzia muito melhor.

Pretendo aprimorar-me na condução da bicicleta. Quem sabe consigo chegar a ser tão bom quanto era aos 11, 12 anos.

Já seria qualquer coisa. Nisso e em tudo mais.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Para emagrecer


Ontem a Baixinha foi a Vinhais arrumar cabelo e unhas. Voltou curiosa por saber o quanto de verdade existiria em uma história de pílulas de ovo de solitária que provocam o emagrecimento.
Passei um bom tempo a fuçar no Google à cata de informações a respeito.
Teria Maria Callas utilizado tal método para baixar de seus 90 kg para míseros 57 kg?
Parece ser lenda. Já a venda das tais pílulas nos Estados Unidos, inícios do século XX, tem jeito de ter ocorrido. É verdade que não se tem como saber se as pílulas que eram vendidas como contendo ovos de solitária portavam de facto tais ovos.


As informações passadas boca a boca no salão dão conta de que seria possível, nos dias de hoje, comprar tais pílulas pela Internet.

Mas é sabido que na atmosfera de um cabeleireiro realidade e fantasia são indistinguíveis.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

A volta dos comentários


Dia desses retirei o recurso que permitia comentários no Blog. Expliquei que o sistema de comentários que eu estava a utilizar havia dado sinais de não estar a funcionar direito.
Minha irmã caçula passou por cima de minhas explicações e protestou contra a ausência do recurso.
Como (quase) tudo que minha irmã diz eu acato, voltei a permitir a inserção de comentários no Blog, só que - agora - com o sistema de comentários do próprio Blogger.
E segue o jogo!

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Promessa cumprida


Antes de sair do Brasil (São Paulo), tive a ideia:
Quando estiver em casa, em Bragança, Portugal, vou sentar-me à varanda, diante do IP4 (estrada que leva do Porto a Bragança e daí à Espanha), lá pelas onze horas da noite, quando no Brasil são apenas sete horas da noite, vou ligar o portátil (que no Brasil é chamado de notebook), entrar na Internet e escolher a rádio Sulamérica Trânsito, rádio especializada em informações sobre o trânsito em São Paulo.
Enquanto contemplo o IP4, com o seu movimento de alguns poucos automóveis por minuto, ficarei a ouvir as informações que dão conta de que há congestionamento na Marginal Tietê, de que a Marginal Pinheiros está parada, no sentido de Interlagos, pelo atropelamento de um motoqueiro, que a ligação Norte-Sul está insuportável pelo excesso de veículos etc etc. E vou usufruir da delícia de estar aqui. E não parado em meio a uma balbúrdia daquelas, como tantas vezes já estive.

Hoje cumpri a promessa.

Pagano Sobrinho


Fioravante Pagano Sobrinho parece que nasceu em São Paulo, em 23 de outubro de 1.910. Fez muito sucesso como humorista, principalmente nas décadas de 50 e 60 e morreu em 1.972. Esse ano, aliás, foi o único na minha vida que atravessei inteirinho atrás das grades, no Presídio Tiradentes.
Ano passado ele completaria 100 anos. Não vi, não li, não ouvi nenhuma palavra sobre ele na imprensa brasileira.
É assim mesmo. Não está na moda, pas de espaço na media.
Mas me lembro bem de Pagano a retratar as mulheres da alta sociedade:
- Era uma mulher muito viajada, muito percorrida.

Até o que existe sobre ele no You Tube é fraco. Paciência.
Adeus, Pagano.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

A força motriz sexual


Como todo mundo, tenho direito a desenvolver teorias. E percebo, cada vez com mais nitidez, que a força motriz da sociedade é o sexo.
Grande novidade, dirão quase todos. Já Freud fez disso seu ganha pão.
Mas não. Calma lá.
As teorias freudianas são mais sofisticadas.
Quanto à minha, é de uma simplicidade alvar:
Digo, com toda a clareza: o Zé Dirceu, aquele o do mensalão brasileiro, aquele que não se deve cutucar com vara curta pois pode ser fatal, é um belo exemplo. Entrou para a política estudantil por perceber que era o jeito mais fácil e rápido de papar todas as menininhas deslumbradas que circulavam pelas universidades paulistas.
Depois de um desastrado congresso da UNE em Ibiúna, e outras estrepolias do gênero, foi preso. Uns gabeiras e franklins martins o pediram em troca do embaixador americano que haviam seqüestrado e ei-lo a tomar aulas de tiro e coisas que tais em Cuba.
Daí a criar o PT e dar invólucro eleitoral a Lula foi um passo.
Por falar em Lula, é evidente que só entrou para a militância sindical para papar viúvas de operários que iam ao sindicato para inteirar-se de seus direitos trabalhistas.
E por aí vai.Qualquer dia desses desenvolvo mais pormenorizadamente essa ideia.
Por hora, vou até ali, bem, fazer algo mais importante.

domingo, 4 de setembro de 2011

O rústico e o urbano


Neste fim de semana experimentámos dois extremos muito agradáveis.
No sábado, fomos almoçar na casa de minha prima Zelinda, em Passos de Lomba.
Como decidimos que eu conduzia na ida e a Baixinha na volta, pude começar com um bagacinho. A comida, regada a vinho da aldeia, estava soberba: um cordeiro na panela, com batatas.

Hoje, domingo, fomos a Mirandela conhecer o Flor de Sal:

CLIQUE PARA AMPLIAR
À entrada já se anuncia:

CLIQUE PARA AMPLIAR
O interior do restaurante é sóbrio:

CLIQUE PARA AMPLIAR
À guisa de entrada, enquanto a Baixinha pedia foie gras, fui de míscaros com alheira de caça. Imperdível. Aliás, imperdíveis, pois não deixei de experimentar o que a Baixinha pediu.
Regado a um vinho Quinta de Sobreiró de Cima Colheita 2004 (de Valpaços), saboreámos um arroz de peixe e gambas.
Completei com um gelado de azeite.

Fomos, então, apreciar o salão de baixo, sobre o rio Tua.

CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
Pode-se sentar e conversar:

CLIQUE PARA AMPLIAR
Ou passear pelo relvado ao lado do restaurante:

CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ficou a dúvida: qual o melhor? O rústico ou o urbano?
Prefiro ambos.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Sem comentários


Penso que será melhor tirar os comentários. Comecei a pensar nisso quando eu mesmo não consegui meter um comentário em meu próprio blog.
Além do mais, são poucos amigos que inserem comentários. Poderão enviar-me seus pontos de vista por e-mail.
Há leitores fieis que jamais comentam nada.
Fazem o que mais me importa: lêem.

Estimulo a todos os que me lêem a fazerem seus comentários. Mas por e-mail.
Sempre que for cabível, responderei no próprio blog ou por e-mail.

Combinado?

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Fim de feira


Hoje parece final de feira, em Bragança. Talvez o mesmo se possa dizer em relação a quase todo Portugal. Os emigrantes já se vão. E os comerciantes daqui, em particular os da restauração, fecham suas casas e partem para vinte dias de descanso.
O que havia a facturar, o foi.
Lá para o dia 12 começa o ano lectivo.
Só então, lá para a segunda quinzena de setembro, reinicia-se a actividade em geral.

Quanto a mim, amanhã recebo meu primeiro salário de reformado.

Em Romanos 6:23 consta que o salário do pecado é a morte. Espero que o salário da reforma seja algo menos radical.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

A Falência da Educação


Não percebo o porquê de ninguém se preocupar para valer com o descalabro da educação nos dias de hoje.
Fico horrorizado ao constatar que há alunos já chegados aos 12 anos de idade e que não sabem nem sequer demonstrar o Teorema de Gödel.
Pior: muitos nem sequer leram a Crítica da Razão Pura, de Kant.
Pergunto-me onde iremos parar se adolescentes mergulham na mais total ignorância do que seja um imperativo categórico.
Mesmo naquelas matérias que os conduzirão a boas colocações no mercado, o desconhecimento é gravíssimo. Muitos rapazitos, já com alguns pelos a despontar no rosto, ignoram solenemente as quatro equações fundamentais do electromagnetismo.
Poderia estender-me em exemplos tenebrosos.
Mas fico por aqui, antes que minha irritação atinja limites indesejáveis.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Abel e Olivier


Hoje fomos almoçar ao Abel, em Gimonde. São menos de 5 minutos de carro até lá.
Durante o almoço, a Baixinha teve o insight: isto aqui é como o L'Entrecôte de Ma Tante, do Olivier Anquier.
É verdade.
O restaurante da Mário Ferraz, em São Paulo, oferece apenas um prato: o entrecôte acompanhado de batatas fritas. Antes servem uma salada verde. Há alguns doces à sobremesa.
No Abel, pode-se escolher entre costeletas de vitela ou de cordeiro e posta de vitela. Tudo na brasa. Tudo feito pelo próprio Sr. Abel.
Servem antes uma salada verde e batatas fritas ou ao murro acompanham a carne.
Há também doces para a sobremesa.

Nos dois restaurantes a comida é excelente. A diferença está no preço. No Olivier a refeição sai R$ 53,00 por pessoa, sem bebida. Uma garrafa de vinho tinto não deve custar menos de R$ 50,00. Um casal gastará, no mínimo, uns R$ 150,00. Ou 65 euros.

Hoje, no Abel, comemos uma posta de vitela dos deuses, tomámos um delicioso vinho da casa. Deixámos lá 13,25 euros.

sábado, 27 de agosto de 2011

Lá se vai o verão


Dizem, cá em Bragança, que o verão acaba aquando da festa da Nossa Senhora da Serra, no início de setembro.
Parece, contudo, que o final do calor antecipou-se, este ano.
Depois de dois dias tórridos, quarta e quinta da semana passada, a temperatura começou a cair e ontem à noite, quando resolvemos sair para deitar fora o lixo, fazia um frio terrível na rua.
Lembrei-me dos versos populares que me ensinou o primo Alípio:

Focinho de cão
e cu de mulher
Não conhecem v'rão

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A Luta de Classes, quem diria,
acabou em Boletim Meteorológico


Avacalharam de uma vez por todas as ideologias.
Matéria de Filomena Naves publicada hoje no Diário de Notícias resume as conclusões de uma pesquisa divulgada pela revista Nature: existe uma correlação clara entre o fenómeno climático El Niño e o surgimento de guerras civis nos 90 países que sofrem a influência dele. Explica Filomena: “El Niño é um fenómeno periódico de aquecimento das águas do Pacífico, que ocorre a cada três a sete anos, e que tem repercussões à escala global, afectando os padrões meteorológicos em quase todo o continente africano, no Médio Oriente, Índia, sudoeste asiático, Austrália e Américas, onde vive metade da população do planeta. Nesses anos, a temperatura do solo sobe e as chuvas diminuem muito. No anos de La Niña, em que as águas do Pacífico arrefecem, acontece o contrário.”

Os pesquisadores chegaram mesmo a quantificar a tal influência:
“No estudo hoje publicado na revista Nature – que faz capa do artigo –, a equipa coordenada por Solomon Hsiang, da universidade de Columbia, escreve que os dados ‘ mostram que a probabilidade de surgirem novos conflitos civis nos países tropicais duplica nos anos de El Niño ’. “

Os mesmos pesquisadores fazem uma óbvia ressalva:
“Com prudência, a equipa sublinha que não é o clima apenas que desencadeia as guerras civis. Um mundo de problemas sociais e humanos conjuga-se sempre para que os conflitos aconteçam. Mas o estudo, dizem, mostra que o papel do clima é real e também mensurável. Em tempos de grande tensão, a meteorologia desfavorável pode ser o rastilho que ninguém queria. “

Mas a ressalva chega quando a vaca já se dirigiu ao brejo.

Ouso sugerir aos inefáveis cientistas políticos que passem a dedicar um tempo adicional ao estudo das previsões do tempo.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O viúvo


- Como vai essa força?!

Há muito tempo não o via. Talvez por isso, cumprimentou o velho amigo com misto de prazer e surpresa.

Recebeu a resposta habitual para essas situações, a menos do final:

- Minha mulher faleceu há um ano.

Vestiu a expressão de consternado e retrucou:

- Meus pêsames, amigo.

E veio a surpresa:

- Pêsames o caralho!!! Tirei a sorte grande!

E pôs-se a contar como sua vida passara por uma revolução. Como se tornara alegre, feliz mesmo.

Despediram-se pouco depois, não sem que o amigo o convidasse para acompanhá-lo em algumas aventuras. Agradeceu o convite de modo protocolar.

Antes de voltar para casa, sem que isso fosse hábito seu, passou na florista e comprou flores para a mulher.

Ida ao Porto


A viagem de Bragança ao Porto fazia-se em 2 horas e alguns 15 minutos. IP4 de Bragança a Amarante, A4 daí ao Porto.
Com a construção da A4 até a divisa com Espanha, o tempo pulou para 3 horas. Há muitos desvios. Por um lado, é bom: esses desvios passam por pequenas vilas e revelam paisagens lindas. Por outro, fica-se cansado pelo que se assemelha a corrida de obstáculos.
Fomos e voltámos quase que sempre à luz do dia. Pudera: no verão, o dia - aqui - tem 15 horas. A noite nos envolveu já próximos de Bragança, às 21 horas.
Problemas burocráticos resolvidos, fomos revisitar a Adega e Presuntaria Transmontana 2, em Vila Nova de Gaia.
Decepção. O vinho tinto, um Cabeça de Burro, Reserva, 2009, estava excelente, ainda que em temperatura acima da desejável. A comida, contudo, sofrível. Para quem já saboreou um javali ou um polvo nessa casa, ambos decepcionaram. É pena.

Depois de algumas compritas em El Corte Inglés, o retorno a Bragança.

Doga nos recebeu com a cauda a abanar. Seu típico sinal exterior de felicidade.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Castanhas à vista!


Daqui a pouco, em outubro, virá a colheita das castanhas.
Hoje fomos a Passos visitar as primas.
Por já não ser turista, senti-me sem pressa.
Ficámos um bom tempo a jogar conversa fora com a Dora. Maria Tereza não estava em casa (como quase sempre), mas encontrámos Fernanda, que ruminava algum ócio na varanda da casa de amigos. Durante algum tempo conversámos na rua. Por fim, fomos à Zelinda. Por não estar a conduzir, pude tomar algumas pinguinhas. Vinho tinto delicioso preparado na aldeia.
O castanheiro abaixo é mesmo ao pé da casa do Alípio e da Zelinda.

CLIQUE PARA AMPLIAR
CLIQUE PARA AMPLIAR

Também são do mesmo sítio as uvas que comporão futuro vinho.

CLIQUE PARA AMPLIAR

Saúde!