segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Sobre o teste da revista Sábado


Quando eu estudava nos cursos fundamentais, lá pelo início da adolescência, era comum ouvir meu pai vociferar contra o ensino da época. E não era só ele que praticava o esporte de louvar o ensino de antigamente, aquele pelo qual haviam passado os mais velhos.
E o hábito persiste: não me lembro de nenhuma época em que o estilo de ensino vigente tenha sido considerado por muita gente como superior aos estilos anteriores.
Parece que a avaliação do ensino ministrado à gurizada tem a sina de conviver de modo permanente com a decadência.
E, digo logo, não sou exceção à regra.
Mas, como dizia aquele personagem posto por acaso nu em um elevador:
- Primeiro, calma!
Essa conversa mole vem a propósito de uma pesquisa que a revista portuguesa Sábado (que circula às quintas; e isso não é piada de português) fez junto a estudantes de universidades de Lisboa.
Formularam-se dois questionários de 10 perguntas cada e os submeteram a cem alunos abordados à entrada (ou à saída) das aulas, em plena rua. Não entendi qual a distribuição dos dois questionários. Imagino que cada um deles foi utilizado na abordagem de metade da amostra de universitários.
A ideia foi apresentar aos universitários perguntas que exigissem conhecimentos rudimentares.
Eis o conteúdo dos dois questionários:

1.Quantos quilos tem uma tonelada?
2.Em que ano aconteceu o 25 de abril?
3.Como se chamava o maior campo de concentração nazi?
4.Que actor protagonizou O Padrinho?
5.Quem é Manoel de Oliveira?
6.Quem escreveu O Evangelho Segundo Jesus Cristo?
7.Quem escreveu Os Maias?
8.Como se chama a chanceler alemã?
9.Quem é o presidente da Comissão Europeia?
10.Quem é o presidente dos EUA?



1.Quem pintou o tecto da Capela Sistina?
2.Quem pintou Mona Lisa?
3.Qual é o maior mamífero do mundo?
4.Qual é o símbolo químico da água?
5.Qual é a capital dos EUA?
6.Qual é a capital de Itália?
7.Como se chama o fundador da Microsoft?
8.O que significa a sigla LOL?
9.Que instrumento toca Maria João Pires?
10.De que banda fez parte John Lennon?

A matéria publicada na revista Sábado tem um clima de escândalo. Algo na linha:

- Oh! Como são ignorantes esses universitários! A que ponto chegámos!

Deixem-me, antes de mais, dar um depoimento pessoal.

Fui criado no Brasil. Terminei meu curso de engenharia eletrônica em 1.967, já lá se vão bem mais de 40 anos. Cursei uma das três melhores escolas de engenharia do país (claro que alguns ex-alunos dirão ser a melhor...). Antes disso, fui sempre dos alunos mais aplicados no ensino fundamental (pré-universitário).
Pois bem: das 20 questões acima, não sabia responder a duas (não tinha a menor ideia de qual o maior mamífero do mundo e não lembrava a expressão em inglês resumida na sigla LOL, apesar de saber do que se tratava). Além disso, se abordado na rua e instado a responder a algum dos dois questionários, talvez confundisse o nome de quem pintou o tecto da Capela Sistina com o nome de quem pintou a Mona Lisa. E isso apesar de já ter disputado acirradamente espaço no Louvre com uma multidão de orientais para contemplar o bendito quadro.
Está bem que se o universitário português não tem a menor ideia do que tenha sido o 25 de abril, a coisa é grave. Mas se o dito cujo souber do que se trata e apenas não se lembrar se foi em 74 ou 75 ou 82, qual o problema? Além do que, apenas 14% não souberam acertar o ano. O que significa que 86 estudantes em 100 acertaram.
Aliás, por falar em percentagens, 2% não sabiam quantos quilos tem uma tonelada, 2% não acertaram o nome do presidente dos EUA, 6% não lembraram qual o símbolo químico da água e 12% não souberam dizer qual a verdadeira capital de Itália.
Ora, em qualquer pesquisa, sobre qualquer tema, em qualquer lugar, algo em torno de 10% da amostra sempre vai descambar para absurdos. Se você fizer uma pesquisa no noroeste da Noruega (espero que a Noruega tenha noroeste) sobre, digamos, religião, encontrará seguramente uns 10% de adoradores do Sol.
O facto de 34% de universitários não saberem a que banda pertencia John Lennon me deixa na dúvida: devo lastimar os 34% ou é mais adequado lastimar os 66% restantes?
E olha que gosto de muita coisa produzida pelos Beatles.
Quanto a O Evangelho Segundo Jesus Cristo, eu sabia que tinha sido escrito por Saramago. Isso não me ajudou a passar das primeiras páginas do livro em algumas tentativas que fiz de lê-lo.
Enfim, podem anotar: daqui a uns 20 anos esses mesmos universitários estarão a lastimar o nível do ensino ministrado a seus filhos.
E dirão, consternados:
- Que decadência! Ah! no meu tempo...

2 comentários:

Léa, a irmã. disse...

Caro mano: a meu ver, a prova da decadência do ensino não está nas respostas, mas nas próprias perguntas do teste, como você mesmo acusou! Quando estudaram os autores das perguntas?

Saltapocinhas disse...

tens toda a razão.
e também algtumas perguntas são bem idiotas.
mas eu vi o vídeo e na altura fiquei bastante escandalizada - é a sucessão de erros (embora de pessoas diferentes) que incomoda.

e ai de um meu aluno do 4.º ano que não soubesse quantos quilos tem uma tonelada! :)